quarta-feira, 22 de março de 2017

Sopa de frango do campo



As pessoas que me conhecem bem sabem que das melhores coisas que me podem sempre oferecer são produtos alimentares. Gosto de receber sem estar à espera, gosto de receber porque as pessoas se lembraram de mim, gosto de receber porque gosto do desafio de ter que usar um produto para o qual não tinha planos… enfim, coisas de quem gosta mesmo muito de passar tempo de volta dos tachos! Um destes dias a minha sogra deu-me um frango do campo. Fiquei toda contente até perceber que o bendito do frango vinha inteiro! Sim, sou menina da cidade, com muita pena minha que gostava de viver no campo, e para mim o frango vem do talho, partido e arranjado. Ou seja… a guerra ia começar! Lá me enchi de coragem, peguei numa faca afiada, numa tábua para carnes e lá comecei a partir o frango pelas partes mais óbvias e onde sei que existem as articulações. O pior foi mesmo a parte central do animal… essa deu luta, confesso! Deve haver vídeos no Youtube onde explicam como se parte um frango e tenho que ir averiguar, uma vez que a minha sogra já me tem prometidos mais animais do género. Seja como for, depois do frango partido em pedaços, dividi em 3 partes mais ou menos idênticas, congelei duas delas e com a outra fui fazer sopa. Podia ter optado pela canja obviamente (que também já fiz entretanto!) mas lembrei-me de fazer uma daquelas sopas que adoro. Que nem é preciso triturar e que com tudo lá dentro servem perfeitamente uma refeição completa! As variações são imensas e basicamente depende dos legumes que tiverem no frigorífico. Usando frango do campo não precisam de juntar mais gordura nenhuma. Deixo-vos a sugestão:



1/3 de frango do campo
2 cenouras
1 cebola
2 talos de aipo
1/3 de um molho de grelos
6 folhas de couve
Sal

Colocar a panela de pressão ao lume com água abundante (mais de meio) temperada com sal juntamente com os pedaços de frango. Levar ao lume e deixar ferver 20 minutos depois de levantar pressão. Retirar do lume e esperar um pouco até que a pressão desapareça. Abrir a panela, retirar os pedaços de frango e levar novamente a água ao lume. Juntar todos os legumes descascados e partidos em pedaços pequenos. Enquanto os legumes cozem, retirar a pele e os ossos ao frango e partir a carne em pedaços mais pequenos. Juntar a carne à panela e retirar do lume quando estiver tudo cozido. Comer quentinha…

Bom apetite!

segunda-feira, 20 de março de 2017

Bolo de coco e laranja



Apesar do dia não estar solarengo hoje chega a minha querida Primavera e isso é motivo suficiente para ficar feliz. Mais ainda se pensar que no próximo fim-de-semana entramos em horário de Verão… tão bommmmmmmmmmm! Este fim fim-de-semana passou mais uma vez um bocadinho cheio de coisas para fazer, em plena segunda ronda de testes das miúdas, o que me deixou algum tempo para me dedicar à cozinha. Fiz alguns petiscos que andava para experimentar, e o resto foi tudo mais do mesmo, mas coisas que gostamos sempre e que vão sempre sendo feitas. Hoje começo a semana com uma sugestão doce. Um bolo daqueles pequeninos, que se fazem num ápice, mas que perfumam a casa de bolinho acabado de fazer…



3 ovos
150g de açúcar
2 laranjas sumarentas
150g de iogurte grego natural (se só usarem embalagens individuais, completem a diferença com leite)
50g de óleo vegetal
50g de coco ralado
50g de amido de milho (Maizena)
130g de farinha
1 colher de chá de fermento em pó

Geleia para pincelar
Coco ralado para polvilhar

Pré-aquecer o forno a 180.ºC. Untar uma forma redonda (22cm) com margarina e polvilhar de farinha. Reservar.

Começar por bater muito bem os ovos com o açúcar. Juntar a raspa e o sumo das laranjas, o iogurte grego e o óleo vegetal. Bater novamente. Por último adicionar as farinhas, o coco ralado e o fermento. Bater moderadamente apenas para envolver. Colocar a massa na forma e levar ao forno cerca de 30 minutos ou até estar cozido. Retirar do forno, desenformar e com o bolo ainda quente pincelar toda a superfície com geleia, polvilhando de seguida com coco ralado.

Bom apetite!

sexta-feira, 17 de março de 2017

Frango com açafrão e coentros secos sobre legumes



A semana passada recebi o kit promocional da Margão com as novas tendências de sabores. Confesso que adoro especiarias e tenho dois tabuleiros cheios de frasquinhos que adoro usar. O uso das ervas no tempero pode reduzir bastante o consumo de sal na confecção dos nossos pratos e recorro muitas vezes a isso, uma vez que sou hipertensa. Como já tinha posto a descongelar umas coxas de frango para o almoço de sábado, algumas das novas especiarias tiveram logo bom uso. Ficou um tabuleiro colorido, também com a ajuda dos legumes, mas especialmente muito saboroso.

   

5 coxas de frango
5 pernas de frango

1 colher de sobremesa de pimentão doce
1 colher de chá de açafrão
1 colher de chá de coentros secos
Sumo de 2 laranjas
Sal grosso

1 alho francês
1 talo de aipo
6 folhas de couve
½ beterraba

Colocar o frango numa taça e juntar todos os ingredientes do tempero. Envolver e deixar a marinar de um dia para o outro ou 1 ou 2 horas.

Pré-aquecer o forno a 180.ºC. Num tabuleiro de forno colocar o alho francês cortado em rodelas finas, o aipo cortado em pedacinhos, as folhas de couve em juliana e a beterraba em cubos. Espalhar de forma a cobrir todo o fundo. Por cima colocar as peças de frango. Regar com um fio de azeite e levar ao forno cerca de 45-50 minutos. Retirar do forno e servir o frango com os legumes juntamente com outro acompanhamento, no nosso caso batata doce apenas cozida.

Bom apetite!



quarta-feira, 15 de março de 2017

Biscoitos de chocolate e canela



Já vamos a meio da semana novamente. E a meio de Março. Qualquer dia está aí a Primavera. Para mim isso é bom. Gosto de aproveitar os dias tal como são e não vivo sempre à espera de alguma coisa, mas gosto desta altura do ano. Os meus meses preferidos estão quase aí, o sol começa a aquecer, a roupa a diminuir, os dias a ficarem compridos e a vida a render muito mais. Chega a vontade de arrumar coisas, dar a volta à casa e muitas vezes dar a volta à vida também. Nunca fui pessoa de arriscar coisa nenhuma, sempre lidei mal com mudanças, mas na realidade a vida tem-me mostrado que aquela frase que ainda aí muito na moda é mais do que verdadeira: “A zona de conforto é um lugar maravilhoso. Pena que nada aconteça lá.” É tão verdade. Mas a genética é coisa tramadíssima e lutar contra ela pode muitas vezes tornar-se uma guerra titânica. Mas há batalhas que são só nossas. Há guerras que temos que vencer sozinhos. Mais um dia. Mais um mês. Mais um ano. A vida portanto…!



Receita adaptada do Pecado da Gula

200g de farinha com fermento
100g de margarina vegetal ligeiramente amolecida
80g de açúcar
1 colher de sobremesa de canela
1 colher de sopa de chocolate em pó
1 colher de sopa de essência de baunilha (apenas se for caseira… se for de compra uma colher de café)

Açúcar e canela para envolver (opcional)

Pré-aquecer o forno a 180.ºC. Preparar um tabuleiro de forno com tapete antiaderente. Reservar.

Colocar todos os ingredientes numa taça (batedeira ou robot também serve) e misturar tudo muito bem até estar uma massa homogénea e moldável. Retirar pequenas porções e fazer bolinhas com as mãos colocando no tabuleiro. Levar ao foro entre 15 a 20 minutos ou até as bordas parecerem dourar. Retirar do forno e ainda quentes envolver em açúcar e canela. Deixar arrefecer por completo e guardar em recipiente hermético.

Bom apetite!

segunda-feira, 13 de março de 2017

Empadão de jardineira de peru



Depois de um fim-de-semana em que finalmente consegui ter algum tempo para não fazer coisa nenhuma (há meses que isto não acontecia!) a semana começa fria. O que pede comidas reconfortantes. Na última ida a casa da minha sogra vim de lá com um saquinho de asas de peru. O meu marido não aprecia especialmente o sabor do peru, pelo que fiquei logo sem saber o que fazer com aqueles pedaços de carne. A conselho da minha sogra, devia deixá-las temperadas de um dia para o outro e depois estufa-las. E foi o que fiz. Temperadinhas no frigorífico de um dia para o outro com caminho direto para a panela de pressão. Depois de cozinhadas olhei para elas e pensei que se lhes pusesse aquilo à frente daquela maneira iria dar luta nos pratos, confusão à mesa e tudo o que seria dispensável de acontecer à hora da refeição. Resolvi desossar e limpar as asas e transforma-la numa jardineira. Como não tinha batatas suficientes, mas tinha muita batata-doce, resolvi transformar a jardineira num empadão. E assim foi… resultado delicioso! Deixo-vos a sugestão:



Cerca de 1 kg de asas de peru
1 copo de vinho tinto
Sumo de ½ limão
6 dentes de alho
1 folha de louro
Pimentão-doce
Sal

1 cebola
2 cenouras
1 chávena de ervilhas

1 kg de batatas (usei 200g de batata “normal” e 800g de batata doce)
400ml de leite
Sal, pimenta, noz-moscada e manteiga

Queijo mozarela para gratinar (opcional)



Colocar os pedaços de peru num recipiente e temperar com o vinho, o sumo de limão, os alhos partidos em fatias, a folha de louro o pimentão-doce e sal a gosto. Tapar e levar ao frigorífico de um dia para o outro.

No dia seguinte colocar a panela de pressão ao lume com um fio de azeite e uma cebola picada. Juntar os pedaços de carne e deixar alourar um pouco. Juntar a marinada e mais um copo de água e tapar. Depois de entrar em pressão deixar cozinhar por 20 minutos.

Desligar o lume e deixar reduzir a pressão. Destapar e retirar a carne para limpar de peles e ossos e partir em pedaços pequenos. Enquanto se limpa a carne junta-se as ervilhas e as cenouras descascadas e partidas em rodelas à panela e leva-se ao lume novamente para cozinhar lentamente.

Inicia-se também a confeção do puré de batata. Eu faço sempre na Bimby, mas podem usar o puré que costumam fazer. Na Bimby colocar todos os ingredientes no copo, com excepção da manteiga. Programar 30 min., tem. 90, vel. 1. No fim desse tempo juntar a manteiga (ou margarina) e programar 1 min., vel. 3-4.

Junta-se novamente a carne na panela e deixa-se cozinhar enquanto o puré termina.

Colocar num tabuleiro a carne, dispensando a maior parte do molho e cobrir com o puré de batata. Por opção ainda salpiquei a superfície com mozarela ralada e levei ao forno a gratinar 5 minutos.

Bom apetite!

sexta-feira, 10 de março de 2017

Bolo de coco com crumble



Já tinha esta receita guardada há algum tempo até que no fim-de-semana passado, um bocadinho inesperadamente surgiu a oportunidade de a fazer. Ao olhar para algumas receitas ficamos muitas vezes com vontade de desistir, pelo número de ingredientes, pelo número de passos… mas depois se olharmos bem para a “coisa” aquilo tudo resume-se a muito pouco. Foi um bocadinho o caso desta. Na realidade é um bolo muito simples e que tem a grande vantagem de ficar delicioso… assim a atirar para o amanteigado!!! Fiz algumas alterações relativamente à receita original, o que talvez tenha feito com que a massa tenha fugido um bocadinho sobre o crumble… mas não fez mal nenhum! Ficou óptimo na mesma… apenas não ficou tão lindinho para as fotografias. Experimentem! Não se vão arrepender!



Receita original do blog Will cook for smiles

Usei uma chávena de chá com capacidade para 250 ml

Para o bolo

¾ de chávena de açúcar
½ de chávena de margarina vegetal amolecida
3 ovos
125g de iogurte grego natural
1 e ½ chávenas de farinha
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de sobremesa de fermento em pó
1 chávena de coco ralado

Para o crumble

½ de chávena de açúcar
2/3 de chávena de farinha
5 colheres de sopa de margarina vegetal amolecida
½ chávena de coco ralado

Pré-aquecer o forno a 180.ºC. Untar um tabuleiro com margarina e forrar com pela vegetal. Untar novamente com margarina. Reservar.

Começar por fazer a massa do bolo batendo a margarina amolecida com o açúcar. Juntar os ovos e bater entre cada adição. Juntar o iogurte natural e bater novamente. Adicionar a farinha, o bicarbonato e o fermento e bater de novo. Por último juntar o coco ralado, envolver bem e colocar a massa no tabuleiro reservado. Não levar ao forno e reservar enquanto se faz o crumble.

Juntar todos os ingredientes do crumble numa taça e misturar com a ajuda de um garfo até ficar em migalhas grossas. Cobrir a massa do bolo com a massa do crumble e levar ao forno cerca de 30-35 minutos. Quando estiver douradinho está pronto.

Retirar do forno, desenformar, dispensar o papel e colocar num prato de servir.

Bom apetite!

quarta-feira, 8 de março de 2017

Leite-creme de arroz



A primeira vez que vi uma fotografia desta receita da Titá do blog Titanices fiquei a babar. É um tipo de sobremesa que adoro. Pela sobremesa em si e pela simplicidade de execução. Depois, sem estar à espera, experimentei-a num workshop a que fui. Uma das minhas amigas tinha feito e eu adorei, apesar de a achar um bocadinho doce de mais. Então um destes fins de semana resolvi fazer e levar como sobremesa para um almoço em casa da minha sogra. Fiz durante a manhã e comemos depois do almoço. Mas fica a dica: a minha sogra ligou-me no dia seguinte para me dizer que devia sempre fazer aquela sobremesa de véspera, porque no dia seguinte estava incrivelmente melhor! Não sei, que já não experimentei… lá terei que fazer outra vez para testar! Em relação à receita original, fiz a dobrar, retirei um pouco de açúcar e acrescentei uma colher de manteiga uma vez que fiz com leite magro que era o único que tinha em casa. Não usei a gema e além disso fiz tudo de seguida, sem nunca retirar do lume. Deixo a sugestão:

1 litro de leite
1 colher de sopa de manteiga
1 casca de limão
1 pau de canela
130g de açúcar
120g de farinha de arroz
Canela a gosto para polvilhar

Numa taça misturar a farinha de arroz com o açúcar. Reservar.

Colocar um tacho ao lume com o leite, o pau de canela, a casca de limão e a manteiga. Quando estiver bem quente juntar o açúcar e a farinha de arroz e mexer com uma vara de arames para não ganhar grumos. Deixar cozer, mexendo sempre até o creme engrossar. Retirar do lume e colocar numa taça de servir. Polvilhar com canela a gosto.

Bom apetite!

segunda-feira, 6 de março de 2017

Tarte de maçã picada com aveia e nozes



Mais um fim-de-semana que passou cheio de compromissos familiares. No sábado almoço de família, com direito a passeio no LX Factory à tarde… está cada vez melhor (e tão, mas tão a minha “onda” que até fico com formigueiro cada vez que lá estou e penso no raio de opções que fiz da minha vida que me afastaram tanto daquilo!). Domingo outro almoço de família, com tarde a ver fotografias, lanche, a mais velha a ficar doente e tempo ainda para terminar uma encomenda de uns porta-chaves que tinha pendentes. Sentei-me no sofá literalmente 10 minutos a folhear um livro de culinária que comprei e pouco mais… as miúdas estudaram e embirraram com a vida e as tarefas domésticas foram cumpridas como manda a tradição. Está feito. Já passou. E os planos continuam a acumular-se. Coisas por organizar. Mudanças pensadas mas não concretizadas. Vai devagar, mas lá chegaremos. A condizer com o fim-de-semana trago hoje uma tarte que também se faz num ápice. Mais uma vez recorrendo ao que olho à volta e vejo que posso usar, assim, depressa, que não houve tempo para planos nem para procurar receitas. Lá foram as maçãs que andam sempre pela fruteira e aveia que há sempre no armário… e bom, saiu uma bela tarte! Deixo-vos a sugestão:



1 base para tartes de massa folhada (de compra)
3 maçãs
4 ovos
125g de iogurte grego natural
160g de açúcar
60g de aveia
50g de nozes
Raspa e sumo de 1 tangerina
Açúcar mascavado

Pré-aquecer o forno a 180.ºC. Esticar a massa folhada sobre uma tarteira (com o papel) e picar o fundo com um garfo. Reservar.

Colocar as maçãs em pedaços num robot de cozinha (ou no copo da varinha!) e picar até ficar em pedaços pequenos. Juntar todos os restantes ingredientes e bater numa velocidade média. Colocar esta mistura sobre a massa reservada salpicar a superfície com açúcar mascavado (podem usar outro!) e levar ao forno cerca de 35 minutos ou até a superfície estar bem dourada. Retirar do forno, dispensar o papel e colocar num prato de servir.

Bom apetite!

sexta-feira, 3 de março de 2017

Ovos recheados com atum e pimento



Hoje trago-vos uma daquelas receitas muito simples, que serve literalmente qualquer refeição. Pode ser comido à mesa, levar na marmita, num piquenique… serve de pequeno-almoço, almoço, lanche ou jantar. Serve de petisco de jantar de fim-de-semana quando já não apetece fazer grande coisa, mas apetece sempre um petisco saboroso e reconfortante. Ovos recheados permitem inúmeras variações (e já tenho algumas aqui pelo blog!). Desta vez saíram com atum e pimento…

8 ovos
1 lata de atum em água
½ pimento vermelho pequeno
2 colheres de iogurte grego natural
Alho em pó e orégãos a gosto
Queijo mozarela ralado

Começar por cozer os ovos em água abundante temperada com sal. Depois de cozidos deixar arrefecer, descascar e partir ao meio no sentido mais comprido. Retirar as gemas com algum cuidado e colocar numa taça. Dispor a parte das claras cozidas num tabuleiro de ir ao forno.
Juntar às gemas o atum bem escorrido, o pimento partido em pedaços pequenos, o iogurte, alho em pó e orégãos. Misturar bem. Colocar esta pasta no buraco das claras. Polvilhar com queijo mozarela e levar ao forno a gratinar. Depois é só servir com uma saladinha ou simples…

Bom apetite!

quarta-feira, 1 de março de 2017

Bolo rápido de maçã picada



Depois de 4 dias por fora, num fim-de-semana em que quase tudo aconteceu, tenho poucas coisas que vos posso trazer. Lá vou eu rebuscar receitinhas que foram ficando pelo caminho… Quanto a estes dias de descanso, foram bons e intensos o suficiente para desligar das rotinas diárias. Além disso ficamos com uma semana mais curta, o que não impediu a neura do regresso… mas bom, tem que ser! Hoje deixo-vos um bolinho, quase tarte, que se faz muito depressa. Foi feito num dia em que parei pouco por casa e tive a visita da minha cunhada para petiscar connosco ao fim do dia. Deixo-vos a sugestão:



2 maçãs
3 ovos
130g de açúcar
1 iogurte natural
150g de farinha
1 colher de chá de fermento em pó

Aveia, nozes e canela para salpicar a superfície
Geleia para pincelar (opcional)

Pré-aquecer o forno a 180.ºC. Untar uma tarteira com margarina e polvilhar de açúcar. Reservar.

Começar por descascar, descaroçar e picar as maçãs com a faca ou um robot de cozinha. Juntar todos os restantes ingredientes com excepção da cobertura e bater até estar um creme homogéneo. Colocar a massa na tarteira e salpicar toda a superfície com aveia, canela e nozes picadas a gosto. Levar ao forno cerca de 25 a 30 minutos ou até estar cozido. Retirar do forno e pincelar ainda quente com geleia.

Bom apetite!

Post Ads (Documentation Required)

Author Info (Documentation Required)